#Golfo da Guiné

O Human Rights Watch afirmou que pelo menos 170 civis foram assassinados no Camarões Anglófono desde Outubro

Em Camarões, o conflito armado só eclodiu em 2017, quando o governo reprimiu violentamente protestos pacíficos do lado Anglófono, que exigiam a diminuição de sua marginalização. Desde Outubro de 2018, no entanto, os ataques violentos têm se intensificado, deixando um rastro de civis mortos. Segundo a HRW, a maioria das fatalidades foi ocasionada pelas forças governamentais, apesar de existirem evidências de que os grupos separatistas também possuem sua parcela nesses dados. Dessa forma, está sendo exigida uma diminuição do abuso de força pelos agentes do governo, assim como diminuição da violação dos direitos humanos de diversos civis que estão sendo afetados de maneiras extremamente negativas pelos conflitos. De acordo com a HRW, o governo deveria ser responsável por proteger os civis e seus direitos nesses momentos de tensões, enquanto os separatistas deveriam demonstrar esforços que divirjam de atitudes violentas em prol da resolução dessa crise.

Apesar disso, o governo de Camarões segue alegando que suas forças de segurança do Estado não abusaram de poder nem de direitos humanos. Mesmo assim, é notável que os números levantados pela HRW (170 civis) não deve compreender toda a parcela de camaroneses que realmente foi assassinada nesse período, de modo que alguma atitude estatal perante esses acontecimentos continua sendo necessária.

Fonte: Human Rights Watch
— 
Luana Paris Bastos


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.